terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Papai Noel visita crianças do Lar Lygia Hans e Casa da Criança Peniel



Campanha "Eu curto ajudar" leva presentes para mais de 180 crianças

Hoje as crianças do Lar Lygia Hans e Casa da Criança Peniel receberam presentes do Papai Noel. O bom velhinho levou alegria para todas elas, e despertou curiosidade de algumas que, desconfiadas, encaravam aquele senhor de longas barbas pela primeira vez. Foi o primeiro dia de entrega dos presentes da campanha "Eu curto ajudar", que se originou na rede social Facebook, direto para as instituições de acolhimento de Campo Grande. Amanhã a entrega será no Lar Vovó Miloca e SOS Abrigo.

Com apoio de mais de três mil pessoas, a Editora Alvorada convidou seus parceiros, clientes, funcionários e colaboradores a participarem da campanha “Eu curto ajudar”. O objetivo foi estimular o espírito de solidariedade entre as pessoas. Bastava entrar na Fanpage da editora e "curtir" a página. Mais de 180 crianças serão presenteadas pelo Papai Noel.





Na Casa Esperança no Senhor, por conta do recesso de fim de ano da instituição, as entregas irão ocorrer em janeiro.

Entenda a Campanha

 

A editora já vinha trabalhando com essas instituições desde a realização do projeto "A cor de um sonho", que resultou em uma exposição itinerante com livros-arte pintados por essas crianças.

Agora, aliando novas tecnologias ao antigo legado deixado pelo "bom velhinho", a campanha "Eu curto ajudar". Pessoas de 18 países, como México, Estados Unidos, Indonésia, Guatemala, Venezuela e até mesmo Azerbaijão, visitaram e apoiaram a iniciativa, contribuindo para que as mais de 180 crianças institucionalizadas sejam presenteadas.


segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Crianças de instituições recebem presentes de Natal essa semana


Campanha "Eu curto ajudar" teve participação de mais de 3 mil pessoas


Natal é tempo de generosidade, de presentes, compartilhar alegrias, é tempo de esperança que renasce. E por falar em compartilhar esse espírito natalino, a Editora Alvorada com apoio de mais de três mil pessoas, entrega presentes de Natal para as crianças do Lar Lygia Hans, Casa da Criança Peniel I, II e III, SOS Abrigo e Vovó Miloca. A entrega será amanhã e quarta, 20 e 21 de dezembro.

Lançado na rede social Facebook, a Editora convidou seus parceiros, clientes, funcionários e colaboradores a participarem da campanha “Eu curto ajudar”. O objetivo foi estimular o espírito de solidariedade entre as pessoas e fazer com que cada um ajude como puder.

Mais de três mil pessoas divulgaram e agora participam da campanha. São mais de 180 a receberam presentes, os quais estão na faixa de idade de zero a 17 anos. Os demais participantes fazem a entrega de suas doações como preferirem.

“Quando pensamos em fazer do Natal dessas crianças ainda mais feliz, pensamos também em como unir forças de outras pessoas para que também ajudem essas, ou outras instituições. Ficamos maravilhados com o número alcançado de seguidores e colaboradores nesta campanha em apenas três semanas. Foi um sucesso. Esperamos que todos façam a sua parte”, diz Oscar Diego de La Rubia, gerente de marketing e expansão  da Editora Alvorada.

Essa foi a primeira campanha via rede social lançada pela editora, que pretende dar continuidade aos trabalhos, através de outras ações, como campanha do agasalho, dia das crianças e outros.

Entenda a Campanha

A editora já vinha trabalhando com essas instituições desde a realização do projeto "A cor de um sonho", que resultou em uma exposição itinerante com livros-arte pintados por essas crianças.

Agora, aliando novas tecnologias ao antigo legado deixado pelo "bom velhinho", a campanha "Eu curto ajudar". Pessoas de 18 países, como México, Estados Unidos, Indonésia, Guatemala, Venezuela e até mesmo Azerbaijão, visitaram e apoiaram a iniciativa, contribuindo para que as mais de 180 crianças institucionalizadas sejam presenteadas. Bastava entrar na Fanpage da editora e "curtir" a página.

Entrega de presentes

As entregas ocorrem de manhã e a tarde, nos dias 20 e 21. No primeiro dia, às nove horas, "Papai Noel" irá visitar o Lar Lygia Hans e na parte da tarde, a entrega é às 14 horas, na Casa da Criança Peniel I, II e V. Já no dia 21, os presentes vão para SOS Abrigo (9 horas) e Vovó Miloca (14 horas). Na Casa Esperança no Senhor, por conta do recesso de fim de ano da instituição, as entregas irão ocorrer em janeiro.


Giordana Mazurana, do Paraná, ganha título de Miss Brasil Infantil 2011

Vencedora ganhou viagem à Disney, 5 mil reais, jóias, livros e 15 vestidos
Rostinho de boneca, andar de menina moleca. A pequena Giordana Mazurana, candidata do Paraná, foi a favorita dos jurados do Miss Brasil Infantil. Ao todo foram 14 meninas representando seus estados no evento que aconteceu sábado e domingo, 17 e 18, no Rubens Gil de Camillo.




Com o prêmio conquistado, a filha de Marilza Marzurana e Selvino Sibulski, de oito anos, ganhou viagem à Disney, cinco mil reais, jóias, livros e 15 vestidos. Próximo passo agora é se preparar para o Miss Universo Infantil.


Desfile, beleza, leitura, performance e simpatia foram os quesitos avaliados pelos jurados. “Um dos momentos mais emocionantes e bonito foi quando as meninas participaram da ‘Hora da Leitura’. Por ser um primeiro concurso onde se inclui esse tipo de avaliação, as meninas não apresentaram dificuldades com o texto, tiveram boa dicção e entonação”, conta a avaliadora Cleomar Pesente, assessora pedagógica da Editora Alvorada.
 
Os demais estados representados no concurso foram: Piauí, Paraíba, Pará, Gioás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Roraima, Santa Catarina, Maranhão e Rio de Janeiro.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Miss Brasil Infantil terá palestra sobre a importância da literatura no Universo Infantil

Mais do que beleza, postura, simpatia e delicadeza, o Miss Brasil Infantil 2011 trabalha pela primeira vez temas tão importantes, ou até mais, para as pequenas misses. Um dos novos assuntos é a importância da leitura no universo infantil. A palestra acontece às 18h30 deste sábado, dia 17, e pela primeira vez em Campo Grande, MS. O local é o Rubens Gil de Camillo.


Convidada para palestrar, Luziette Amarilha, especialista em Fundamentos da Educação e atuante nas áreas da educação infantil, matemática, alfabetização e literatura, abordará a importância dos pais lerem com seus filhos, como também apresenta aspectos importantes na hora de selecionar o tipo de livro. “Diversidade de assuntos e qualidade dos textos são fundamentais na hora de se escolher uma obra para os filhos”, explica a especialista.

Indicada pela Editora Alvorada, empresa que apóia o evento, Luziette Amarilha faz parte de um grupo de autores responsável pela coleção “Coletânea Para Crianças”.

Candidatas a Miss Infantil serão avaliadas também pela leitura

Além da palestra sobre literatura, as candidatas ao título de Miss Brasil Infantil, passarão por uma etapa que tem por objetivo avaliar postura, expressão e boa verbalização. Cada menina receberá um texto para ler em voz alta e serão julgadas por isso.

Além de literatura, assuntos como alimentação saudável, comportamento na web, educação ambiental, combate a “adultização” e erotização infantil serão tratados no evento.

O Miss Brasil Infantil acontece dia 17 e 18, sábado e domingo, com início as 16h30 no Rubens Gil de Camilo.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Encerramento de projeto escolar premia aluno em escola estadual

Encerramento do Projeto “TOSCO EM AÇÃO COM A POLÍCIA MILITAR” tem seu segundo dia de premiação hoje. O evento acontece as 09h30 na escola Lino Villacha. Tenente coronel Aroldo Luiz Estevão, comandante do 9º Batalhão da Polícia Militar, estará presente e fará a entrega de prêmio do concurso do “E-BOOK TOSCO EM AÇÃO”.

Participaram do concurso os alunos das Escolas Estaduais Joaquim Murtinho, Marçal de Souza e Lino Villacha que participaram do projeto TOSCO. A primeira escola a ser premiada foi a Joaquim Murtinho. A aluna Kamila Braga ficou com o 2º lugar e ganhou um netbook Accer.

Tablet da Sansung e câmera fotográfica são os prêmios de 1º e 3 º lugar que faltam ser entregues. A curiosidade é grande para saber com quais alunos e escolas ficarão com os prêmios.

A Seleção

Em cada escola foi selecionado até cinco materiais para compor o e-book. Desses cinco, foi selecionado um de cada escola pelo corpo pedagógico da Editora Alvorada, responsável pelo concurso, para julgar os vencedores.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Exposição "A cor de um sonho" segue para saguão do Fórum a partir de terça-feira

Hoje é o último dia para conferirem as obras da exposição itinerante "A cor de um sonho" no Ministério Público. A partir de terça-feira, os livros-arte produzidos por crianças de instituições de acolhimento de Campo Grande seguem para o saguão do Fórum da Capital.

Durante a próxima semana, o Fórum acolhe também a feira de artesanatos promovida pela Escola Pólo Evanilda Neres Cavassa, com artigos produzidos pelos adolescentes das Unidades Educacionais de Internação (UNEIs). Os artesanatos ficarão expostos dias 6, 7 e 9, das 9 às 17 horas.

A exposição itinerante já passou pelo Marco, Fundação de Cultura, Noite da Poesia e Café Filosófico. Este último, promovido pela artista plástica Ana Ruas, que foi quem ministrou as oficinas de arte para as crianças. "A cor de um sonho" tem como eixo central o livro da procuradora de Justiça Ariadne Cantú, "Enquanto mamãe não vem", publicado pela Editora Alvorada, que terá 30% de sua venda revertida para as instituições participantes.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Exposição "A cor de um sonho" é recebida hoje pelo Ministério Público Estadual

Exposição itinerante "A cor de um sonho", com pinturas produzidas por crianças de instituições de acolhimento de Campo Grande, estará a partir dessa segunda-feira no Ministério Público Estadual, onde permanece até o dia 02 de dezembro. A exposição é composta por seis livros-arte e uma mostra fotográfica de Moisés Palacios, que retratou os melhores momentos do projeto.

A iniciativa foi possível graças à parceria entre Editora Alvorada, como realizadora, a artista plástica Ana Ruas, que ministrou oficinas de arte para as crianças, e da procuradora de Justiça e escritora Ariadne Cantú. Os trabalhos foram baseadas em seu livro "Enquanto mamãe não vem".

A exposição teve início no Marco (Museu de Artes Contemporâneas) dia 18, passou pela Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul e na última sexta-feira, os livros-arte ficaram à mostra durante dois eventos, o "Espaço da Poesia", no memorial de Cultura e Cidadania da Fundação de Cultura, e "Café Filosófico", no Ateliê Ana Ruas.

Venda do livro será revertida para instituições

No período em que a exposição estiver acontecendo, 30% da venda do "Enquanto mamãe não vem", será revertido para as instituições que participaram do projeto. Para adquirir o livro, basta procurar a própria sede da empresa, rua Antônio Maria Coelho, 623, e na loja virtual, www.editoraalvorada.com.br.

Serviço

De 28.11 a 02.12, exposição permanece no Ministério Público Estadual
Parque dos Poderes – R. Pres. Ferraz de Campos Salles, 214

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Autora apresenta obra Garatujas durante Espaço do Poesia



A Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul recebe hoje a obra Garatujas. O evento será realizado no Memorial da Cultura e Cidadania durante o Espaço da Poesia, às 18h30. O livro de poesias é de autoria de Ariadne Cantú e publicado pela Editora Alvorada.

A autora estará presente para falar de como nasceu a obra e dar autógrafos. Como afirma o presidente da Fundação, Américo Calheiros em seu prefácio, "Garatujas vem recheada de deliciosas surpresas. A autora revela mais uma faceta de sua incursão pela literatura, a poesia. Inspirada pelo imortal Mário Quintana, Ariadne, sem nenhum pudor, desnuda sua alma, numa criação que propõe uma interação com o leitor que é convidado a preencher os vazios com sua intervenção. Uma brincadeira com tantos vértices de sentimentos, mas é principalmente, um hino ao amor".

A autora

A procuradora de Justiça, que já publicou outros livros de poesia e crônicas, tem ganhado cada vez mais espaço como escritora. Recentemente sua obra "Retalhos de Verdades" foi lançada na Livraria Cultura, em São Paulo. Foi destaque durante a bienal do livro no Rio de Janeiro, e lançou também "30 Dias", em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, onde cerca de 100 pessoas compareceram para prestigiar seu trabalho.


"A cor de um sonho"

Além disso, no evento estarão expostos os livros-arte produzidos por crianças de instituições de acolhimento do projeto "A cor de um sonho". Trata-se de uma exposição itinerante, à mostra durante essa semana na Fundação de Cultura de MS.

Durante o projeto, 30% do valor da venda do livro "Enquanto mamãe não vem", eixo-temático do projeto, está sendo revertida para as crianças das instituições. Para colaborar basta adquirir o livro na sede da empresa, rua Antônio Maria Coelho, 623, ou pelo site www.editoraalvorada.com.br.


Serviço

O Memorial da Cultura e Cidadania fica na Fundação de Cultura de Campo Grande, na rua Fernando Corrêa da Costa, 559. Mais informações pelo site www.editoraalvorada.com.br

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Editora lança campanha natalina para presentear crianças de instituições

Para o Natal, a Editora Alvorada está preparando uma campanha especial: "Eu curto ajudar". A idéia é darmos um presente para cada crianças dos abrigos que participaram do projeto "A cor de um sonho". Para isso, precisamos atingir 5 mil fãs em nossa Fan Page. O prazo é até dia 20 de dezembro. 

Serão quase 200 crianças presenteadas de sete instituições de acolhimento de Campo Grande. Curta, comente, compartilhe. Faça parte dessa campanha. Quanto mais pessoas participarem, mais chances temos de fazer do natal dessas crianças muito mais colorido. Clique aqui e curta. 


Além disso, na compra do livro-tema do projeto "enquanto mamãe não vem", de Ariadne Cantú, 30% do valor da venda será destinado também para as instituições. A compra pode ser feita na sede da empresa, Rua Antônio Maria Coelho, 623, ou pelo site www.editoraalvorada.com.br. Participe.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Abertura de exposição itinerante reúne mais de 130 pessoas








Arte, literatura, fotografia, brinquedos, balões, doces, e muito carinho. Isso foi o que crianças de abrigos encontraram ao visitar o primeiro dia da exposição itinerante “A Cor de Um Sonho”. O evento teve início às 09h no Museu de Arte Contemporânea – MARCO e permanece no local até domingo, dia 20.

Além das crianças, a abertura reuniu importantes personalidades, como: Nilza Santos, secretária adjunta da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social - SETAS, Mônica Sueli de Castro, diretora de Proteção Social da Secretaria Municipal de Assistência Social – SAS e Katy Braun, juíza da Vara da Infância, Juventude e Idoso, muito abraçada e reconhecida carinhosamente pelas crianças.


“Estatuto da Criança e do Adolescente prevê que toda criança tem direito à educação e cultura, pois essa é uma demonstração de acesso a esses direitos. A cultura é muito significativa nesse sentido, ainda mais quando elas são as protagonistas do evento", reconhece Katy Braun.

As crianças são as protagonistas porque foram as convidadas principais, a exposição de arte foi toda produzida por elas, e principalmente porque a iniciativa do projeto “A Cor de Um Sonho” foi inspirada no livro “Enquanto Mamãe Não Vem”, da autora Ariadne Cantú, em que conta a realidade das crianças que vivem em abrigos.


A promoção do evento, desde a realização das oficinas para confecção dos seis livros-arte até a exposição, que deverá correr o Estado, é de assinatura da Editora Alvorada, responsável pela segunda edição do livro “Enquanto Mamãe Não Vem”.


Livros-arte
Caminhos, destinos, encontros e desencontros. “As imagens possuem um brilho próprio, algumas choram, outras gritam... Todas palpitam e sensibilizam, traduzindo a vibração de um tempo de espera distante da família, que, em muitos casos, não há mais como resgatar...”, avalia Denise Silveira Xavier, psicóloga escolhida a dedo para compor os Livros-Arte, em que além das pinturas dos pequenos, reúne fotos, e textos, entre eles apresentação da autora Ariadne Cantú, e da artista plástica Ana Ruas, responsável pelas oficinas em que os livros foram produzidos.

Participaram das oficinas de confecção das obras de arte a Casa Da Criança Peniel I, II e V, Lar Lygia Hans, Lar das Crianças Esperança no Senhor, Lar Vovó Miloca, SOS Abrigo e Casa da Criança Peniel V.

O passeio dos livros-arte vai seguir pelo interior do Estado, mas primeiramente irá para alguns endereços em Campo Grande mesmo. Saindo do MARCO eles ficarão de 21 a 25 na sede da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul e depois segue para o Ministério Público. Demais entidades/ instituições e ou organizações que queiram sediar a exposição, basta enviar um pedido de solicitação para contato@editoraalvorada.com.br.

Durante exposição, venda de livro é revertida para instituições participantes do projeto


Livro “Enquanto Mamãe Não Vem”, de Ariadne Cantú, está sendo comercializado no valor de R$ 28,00 e enquanto as obras de arte das crianças estiverem percorrendo o Estado, 30% da venda será revertida para as instituições de acolhimento.

Para contribuir adquira o livro na sede da Editora Alvorada, Rua Antonio Maria Coelho, 623, ou no site www.editoraalvorada.com.br

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Período em que acontece exposição, venda de livro é revertida para instituições



Durante todo o tempo em que a exposição itinerante "A cor de um sonho" estiver acontecendo em Mato Grosso do Sul, 30% do valor de venda do livro "Enquanto mamãe não vem" será revertido para as instituições de acolhimento que participaram do projeto. A exposição itinerante começa dia 18 no Marco (Museu de Artes contemporâneas) e permanece na Capital até o dia 25, depois viaja por Dourados, Três Lagoas, Corumbá e Ponta Porã.

A abertura da exposição será às nove horas, e os seis livros-arte produzidos pelas crianças ficarão no Marco até domingo, dia 20. A partir do dia 21 seguem para a biblioteca da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, onde permanecem até o dia 25. Ainda na abertura da exposição, diversos brinquedos estarão à disposição para as crianças. No local haverá também uma mostra do fotógrafo Moises Palácios, que retratou os melhores momentos das oficinas.

Para Ariadne Cantú, autora do livro "Enquanto mamãe não vem", a iniciativa de reverter parte das vendas para as crianças transmite a mensagem que seu livro passa, uma maneira da sociedade se engajar de forma mais concreta. "Essas crianças têm uma história muito dura, precisam de atenção e carinho. Essa é uma oportunidade que a sociedade tem para interferir de maneira direta na realidade dessas crianças, de mudar um pouco a situação das instituições de Campo Grande", afirma Ariadne.

Para contribuir, basta adquirir o livro na loja virtual da Editora Alvorada, www.editoraalvorada.com.br ou na sede da empresa, rua Antônio Maria Coelho, 623. O valor da obra é de R$ 28,00.


Produção do livro-arte
Ao todo, cerca de 100 crianças de instituições de acolhimento da Capital produziram as seis obras que "viajam" o Estado. Elas foram realizadas em oficinas ministradas pela arte-educadora Ana Ruas, baseadas no livro da Procuradora de Justiça e autora Ariadne Cantú, publicado pela Editora Alvorada. Durante uma semana, a artista acolheu as crianças e trabalhou com elas oficinas de arte. A artista aproveitou para colher sensações e impressões dessas crianças, que também estão presentes nos livros.

Serviço
Abertura: Marco - Museu de Arte Contemporânea
Data: de 18 à 20 de novembro, com entrada gratuita. A partir das nove horas
O que: Abertura da exposição "A cor de um sonho".

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Exposição Itinerante "A cor de um sonho" começa no próximo dia 18



De 18 a 20 de novembro, no Museu de Arte Contemporânea, estarão expostos seis livros-arte com pinturas de cerca de 100 crianças de cinco instituições de acolhimento de Campo Grande. As obras fazem parte do projeto "A cor de um sonho". No dia de abertura da exposição, dia 18, a partir das 9 horas e durante todo o dia, serão disponibilizados brinquedos e atividades para as crianças. As instituições participantes das oficinas também estarão presentes.

O secretário de Cultura, Américo Calheiros, assim como a secretária de Estado de Trabalho e  Assistência Social, Tânia Garib já confirmaram participação. No local haverá ainda uma mostra do fotógrafo Moisés Palácios, que retratou os melhores momentos do projeto. Após o dia 20, os livros seguem pelo interior de Mato Grosso do Sul.

O projeto



O ateliê da arte educadora Ana Ruas foi onde as pinturas foram feitas. Durante uma semana, a artista acolheu as crianças e trabalhou com elas oficinas de arte, que resultaram nos livros. Ana Ruas aproveitou para colher sensações e impressões dessas crianças, que também estão presentes nas obras. A temática central de "A cor de um sonho" é o livro "Enquanto mamãe não vem", da Procuradora de Justiça de MS, Ariadne Cantú, publicado pela Editora Alvorada. Nele, a autora retrata a dura realidade de crianças que vivem ou vivenciaram algum tipo de abandono e agora traz para elas uma oportunidade de extravasar sua realidade.

Para Ariadne, o nome do projeto, "A cor de um sonho", condiz com o resultado alcançado com ele. “Acredito que a capacidade de sonhar é uma das qualidades mais importantes das crianças. A literatura é capaz de envolvê-las, e agora eles tiveram a oportunidade de criarem seu próprio mundo de fantasia, dando um final mais feliz para suas histórias”, afirma a autora. Dona Josefa Rosa, diretora do abrigo Vovó Miloca, conta que são poucas as oportunidades como essa, de irem a um espaço de arte. “Essas atividades são muito importantes para o desenvolvimento social delas. Além disso, valoriza sua auto-estima, passam a entender que não são diferentes das demais crianças, têm as mesmas vontades, precisam dos mesmos cuidados”.

Durante o período em que as obras estiverem "viajando", será revertido um valor de 30% da venda do livro "Enquanto mamãe não vem" para as instituições participantes do projeto. O livro de Ariadne Cantú está disponível na loja virtual da Editora Alvorada, www.editoraalvorada.com.br e na livraria Le Parole. O valor do investimento é de R$ 28,00.



Serviço

Onde: Marco - Museu de Arte Contemporânea
Data: de 18 à 20 de novembro, com entrada gratuita. A partir das 9 horas
O que: Exposição "A cor de um sonho".

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Livraria de São Paulo abre as portas para escritora de Campo Grande




Com um público intimista, composto por Promotores de Justiça, Procuradores e professores universitários, a Livraria Cultura foi anfitriã da Procuradora de Justiça, Ariadne Cantú, na noite de ontem. Entre eles, os Procuradores de Justiça de São Paulo, Paulo Afonso Garrido e Inês Büschel, e os Promotores de Justiça, Roberto Livianu e Laila Shukair. Na ocasião foi lançado o livro "Retalhos de Verdades", da Editora Alvorada.

A obra retrata a dura realidade de crianças vítimas de violências, histórias que a autora vivenciou durante sua atuação como Promotora de Justiça de Mato Grosso do Sul. Esses relatos são narrados na forma de contos, poemas e histórias infantis. “Por mais difícil que seja a situação, a criança tem um jeito diferente de enfrentar a realidade, sempre com esperança e fantasia renovadas a todo instante”, afirma Ariadne.

Na avaliação de Ariadne o evento foi positivo, pois além de rever nomes que atuaram com ela na luta pelo combate à violência e exploração infantil, serviu de presente para uma tentativa de reconciliação de um casal com mais de trinta anos de matrimônio. "Um senhor queria presentear sua esposa, pois havia aprontado com ela. Disse que sua mulher era artista plástica e perguntou se meu livro seria um bom presente. Achei aquilo muito bonito e falei que faria uma dedicatória especial, citando que 'Retalhos de Verdades' seria apropriado para costurar o casamento deles novamente", conta Ariadne.

Com mais de 400 mil livros vendidos, tem ganhado cada vez mais espaço como autora, com obras de poesia, prosa e até mesmo crônicas. Recentemente foi um dos destaques da Bienal do Livro, no Rio de Janeiro. Em Campo Grande, mais de 100 pessoas prestigiaram o lançamento da obra "30 Dias", na Livraria Le Parole, onde já havia lançado também "Planeta dos Carecas". 


 
Serviço: A obra ”Retalhos de Verdades” pode ser adquirida na sede da Editora Alvorada, Rua Antonio Maria Coelho, 623 em Campo Grande, na Livraria Le Parole, Rua Euclides da Cunha, 1.126 também em Campo Grande, e na Livraria Cultura do Shopping Villa Lobos em São Paulo. As vendas também estão disponíveis também no site da editora, www.editoraalvorada.com.br/lojavirtual e no portal da Cultura: www.livrariacultura.com.br . O valor do investimento para todo o território nacional é de R$ 35,00.


segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Autora Ariadne Cantú fala sobre o livro Retalhos de Verdades para o blog Mulher 7x7

*Isabel Clemente


Depois de 10 anos à frente da Promotoria da Infância e da Juventude de Mato Grosso do Sul, Ariadne Cantú, gaúcha, 45 anos, mãe de três (16, 12 e 2 anos), tinha uma certeza: vivera as experiências mais transformadoras de toda sua carreira. Mas não as guardou para si. Botou uma parte disso no papel. Seu primeiro livro de crônicas, Retalhos de Verdades, inspirado em histórias de crianças vítimas de maus-tratos e abandono, está sendo relançado pela Editora Alvorada. O título deste post foi tirado de lá. A promotora de Justiça, escritora e poetisa publicou também livros infantis, entre os quais estão Enquanto mamãe não vem, sobre crianças à espera de uma família nos abrigos, e O planeta dos carecas, um abordagem lúdica sobre o câncer infantil.

Em entrevista por telefone ao Mulher7x7, Ariadne revela que, além de não ter perdido um leve sotaque gaúcho, depois de mais de 20 anos no Centro-Oeste, é uma sensível observadora do universo infantil. “Crianças são feiticeiras, te contagiam com coisas boas, como o bom humor”.





A seguir, os melhores trechos dessa conversa.

Quando a senhora começou a escrever inspirada pela experiência de lidar com crianças em situações difíceis?
Ariadne Cantú – Eu sempre escrevi, desde mocinha, mas nunca tinha publicado. A vivência na Vara da Infância me deixava muito aflita, mas, ao mesmo tempo, a infância nos dá essa capacidade incessante de sonhar com algo cada vez melhor. A criança precisa acreditar que dá para ficar melhor. Eu mesma fazia isso, na minha infância. Levava uns molequinhos maltrapilhos da rua para casa, para tomar banho e comer. E eles voltavam outros. Todas as histórias de criança sempre me falavam muito fundo, na minha alma. Na vida profissional, foi forte demais. Eu escrevia para tirar de dentro do meu peito e botar em algum lugar. As histórias de Retalhos de Verdades são cenas congeladas na minha cabeça. Até hoje, e me emociono com elas.

O que a senhora percebeu nesses anos vendo crianças submetidas a situações tão tristes? Elas filtram a realidade para se proteger?
Na verdade, os mecanismos de defesa das crianças não estão desfocados da realidade. Às vezes, a percepção da realidade é muito maior do que as pessoas podem imaginar. Elas lidam de forma clara e concreta com o problema, mas sempre encontram maneiras de enfrentar com essa vontade de acreditar que o sofrimento não é para sempre. Isso eu boto nas crônicas. Lembro de um caso de uma menina, de menos de 8 anos, sem ninguém. A mãe estava internada num hospital psiquiátrico. A menina dizia “tia, eu quero crescer logo porque eu quero ser a mãe da minha mãe”. É uma frase forte. Ela tinha plena noção e queria salvar sua única referência de família, mas teve que ficar num abrigo.

Nesse tempo todo, alguma história lhe marcou mais por algum motivo em particular?
Foram muitas, mas algumas me falam mais alto. O Wellington foi uma vítima de maus tratos bastante severos. Uma das coisas que o padrasto fazia com ele, aos 2 aninhos, era afundá-lo num latão de água para ele acalmar. Sabe quando a criança sai em estado de choque depois de um susto e fica quieto um pouco? Esse menino chegou no abrigo tristinho, e ficou seis meses, até aparecer um casal de holandeses muito afetivo. Reencontrei esse garoto na Holanda, justamente quando ele estava começando a entender que não era filho biológico. Aí os pais ficaram pedindo para ele me dar um beijo e tal. Ele veio, beijou e depois limpou, como fazem as crianças. Os pais ficaram sem graça, mas eu estava satisfeita em ver que, apesar de tudo que ele tinha passado, estava resguardada uma identidade no fundinho do coração dele. Ele tinha vontades, opiniões. Ele já está adolescente e virá ao Brasil conhecer a mãe biológica. Ele foi adotado num processo de destituição de poder familiar, com quase 3 anos.


É sabida a preferência dos casais por bebês novinhos. No caso de crianças pequenas com um passado de maus-tratos, há dificuldades? Os candidatos temem a situação?
Depende do preparo. Hoje em dia está tudo melhor. Eu acompanhei o início do Estatuto da Criança e do Adolescente. Os Ministérios Públicos não estavam bem aparelhados, mas houve uma transformação de realidade. Se o casal é bem preparado, consegue trabalhar de maneira tranquila porque a vontade de ser pai e mãe deve estar acima de qualquer situação. Eu tive casos como o da menina Filomena, que perdeu as duas pernas. Ela foi adotada bebê, por um casal americano, que já tinha adotado um colombiano surdo e um indiano um pouco mais velho. Uma família muito bonita. Aqui no Brasil nós já vemos famílias preparadas para isso.

A burocracia da adoção está preparada para dar essa assistência ao casal, com auxílio de psicólogos, para explicar quais são as necessidades da criança?
Sim, tanto que muitos casais não conseguem adotar porque chegam lá sem pensar no que precisam oferecer, mas no que a criança pode dar. Se a motivação for a incapacidade de ter filhos por causa da idade avança, é uma motivação equivocada. Se é um casal que acabou de perder um filho, mesma coisa. Isso vai ter impactos lá na frente. Levamos muito tempo para chegar à consciência. Tudo isso custou muita injustiça contra as crianças. Eu mesma peguei casais que queriam devolver crianças depois de oito, dez anos. Teve o caso de dois irmãozinhos, adotados ainda bebês de colo que foram levados de volta ao abrigo com 8 e 9 anos. Os meninos entraram debaixo da mesa e ficaram cantando, num transe. Foi horrível. Fomos entender como tinha sido mal conduzido todo o processo. A criança não é um cachorrinho do qual você cansa quando ele começa a fazer cocô pela casa.Tivemos todo um trabalho para mostrar que isso não se desfaz assim. Os meninos voltaram a viver com a família mas tivemos que acompanhar por muito tempo pra ter certeza de que eles não seriam maltratados. Hoje, a lei não deixa fazer isso. Não se pode entregar crianças para casais despreparados. A destituição de poder pátrio segue critérios muito sérios, com direito à ampla defesa. Antes, era o famigerado código de menores. Eu vivi os resquícios desse tempo.

Qual é a pena que pais podem pegar por maltratar os filhos?
Varia. Dependendo dos casos, são enquadrados até como tortura, quando ficam caracterizados afogamento e marcas de cigarro, por exemplo. Tive muitos resultados com prisões preventivas, sobretudo nos crimes de natureza sexual contra crianças.

Quando a senhora ficava cara a cara com um adulto que viola sexualmente uma criança, como fazia para não voar no pescoço da pessoa?
(Ariadne ri) Eu escrevia. Certa vez, eu tinha pedido prisão preventiva de um homem, mas o juiz não deu. No julgamento, o réu começou a fazer uma descrição tão detalhada do crime, que o juiz saiu da sala de tão incomodado que ficou. Eu com o estômago revirado. Deve ter se arrependido de não ter decretado a prisão preventiva. Ao final, o réu saiu do tribunal preso. São relatos revoltantes, mas a prisão é a glória. São tantas situações… avôs violando netas, pais com filhas e até um caso de mãe com um filho de 4 anos eu peguei. A mãe era uma maluca.

A senhora chegou a alguma conclusão sobre o que motiva esses criminosos sexuais?
Uma vez eu assisti a uma palestra sobre pedofilia, de um psiquiatra canadense, num curso da Interpol em parceria com o Ministério Público de SP. E surgiu esse debate, sobre o motivo, sobre porque a maioria dos crimes é praticada por homens, e ele falou algo que ficou na minha cabeça. Ele mesmo disse que muitos discordavam do que ele ia falar, que até a mulher dele, também psicanalista discordava, mas, para ele, era uma questão de fascínio sobre a criança, que foi o início da nossa conversa. É fascinante ver como a criança se desperta para a vida, o senso de humor, é muito lindo. A mulher dá vazão a esse fascínio fisicamente falando ao pegar, amamentar, um universo do qual o homem não participa da mesma maneira. Os desvios de conduto, para ele, viriam daí.

Depois de lidar com a escória da humanidade de tão perto, porque não dá para usar outro termo com quem maltrata e viola crianças, a senhora perdeu um pouco de fé nas pessoas, ou muito pelo contrário?
Eu não deixo nunca de acreditar no ser humano, justamente porque as crianças têm esse poder de transformação. Elas sempre acreditam que tudo pode melhorar. Sempre. Daí eu penso como eu posso melhorar enquanto indivíduo. Não é privilégio meu perceber isso. Todos que trabalham na área da infância vivem de perto essas situações, de dor e sonho. É a realidade de todos os meus colegas Brasil afora. Eu continuo achando que é possível melhorar, como fazem as crianças nas histórias que acompanhei.



Abaixo, um texto do livro Retalhos de Verdades.
Tia, me arruma um pai.
Tia, me arruma um pai, senão eu vou fugir.
Tia, será que ainda não arrumaram um pai para mim?
Tia, pode ser qualquer um, mas tem que ser um pai.
Não precisa assim, ser importante, mas é preciso que saiba fazer pipa, que não beba, nem bata em ninguém.


* Isabel Clemente é editora-assistente de ÉPOCA em Brasília.
matéria disponível em: http://colunas.epoca.globo.com/mulher7por7/2011/11/07/me-arruma-um-pai/

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Alunos da EJA veem no "Tosco" uma ferramenta de identificação para lidar com os filhos


O livro "Tosco", de Gilberto Mattje, aplicado como material didático em algumas escolas do Estado e também nas UNEI's (Unidades Educacionais de Internação) será adotado em todas as escolas da rede estadual de educação em 2012. Agora, o livro é trabalhado também com alunos da EJA (Educação para Jovens e Adultos), da Escola Estadual Pólo Evanilda Cavassa.

O material aborda a questão da violência, uso de drogas e bullyng com uma linguagem que muito se aproxima dos adolescentes, tornando-se uma ferramenta educacional para os professores que abordam o tema de maneira interessante para os jovens. Já no caso dos alunos da EJA, a identificação passa a ser com os personagens adultos que aparecem ao longo história, como os professores e a mãe do Tosco. Como exemplo, as alunas da 1ª fase Maria Luzia e Roseli Braga, ambas ficaram 25 anos sem estudar e agora, com filhos adolescentes, têm obrigações com a família que vão além de garantirem diplomas.

Maria afirma que a história é uma grande lição para a vida. "Tenho uma filha de 14 anos e duas gêmeas de 11. Hoje em dia é muito difícil conversar com os filhos porque os interesses deles são muito diferentes e a linguagem muda a toda hora, são muitas gírias. Desde que comecei a ler o livro com minha filha, consigo orientá-la a partir dos exemplos da trama. Conversamos bastante sobre o que acontece com o personagem", afirma. Roseli compartilha da ideia, e acrescenta: "Tenho um filho de 19 anos e não quero que ele sofra as mesmas coisas. É o medo de toda a mãe. Essas situações de violência estão expostas na mídia todo dia, temos que combater isso com aproximação, diálogo".

O jovem Rodrigo Rodrigues, também de 19, ficou apenas dois anos sem estudar, mas nunca foi um grande interessado pelos livros. Dentro de sala, sua própria conduta acaba sendo um exemplo para os outros alunos, que muitas vezes tem filhos de sua idade. "Eu reprovei um ano e fiquei mais um parado, mas nunca fui de estudar muito. O "Tosco" é o primeiro livro que eu leio inteiro. E foi bom, agora já estou lendo meu segundo, foi uma porta que eu abri", revela.

Para o final do ano letivo, os alunos estão trabalhando na 2ª edição do livro "Conta que eu Conto", um livro de histórias produzido pelos estudantes de todas as unidades da Escola Estadual Pólo Evanilda Cavassa. Além de Campo Grande, a coletânea terá ainda trabalhos de alunos de Dourados, Três Lagoas, Corumbá e Ponta Porã. Diferente do ano passado, cuja temática foi livre, esse ano o livro será baseado no "Tosco", afirma a diretora da Escola Pólo, Eliete Barros. "Como a receptividade nas escolas foi bastante positiva, iremos abordar todos esses assuntos tratados na obra do Gilberto", afirma Eliete.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Editora Alvorada publica premiados do Concurso Cultural




Frases e situações inusitadas de crianças, receitas, fotos que traduzem a importância da leitura. Tudo isso foi abordado em um concurso via Facebook criado pela Editora Alvorada. Em três dias de concurso, o perfil virtual da editora movimentou cerca de 50 participantes, que postaram as mais engraçadas frases de crianças, como uma das vencedoras exemplifica: "Guilherme rezando: Deus, protege todo mundo, até eu! Amém!".

Na categoria melhores receitas, pratos que dão água na boca como Bolinho de Mandioca, Sopa Paraguaia, Doce de Amendoim com Chocolate e até receita de Tereré foi publicada. Tudo isso para celebrar o Dia Nacional do Livro, comemorado dia 29 de outubro. A idéia é incentivar a leitura através de um concurso que atenda todas as faixas etárias. Foram três premiados de cada categoria, "Melhor Fotografia", "Melhor Frase de Criança" e "Melhor Receita".

Como prêmio, livros da Editora Alvorada e um pen drive personalizado para a melhor fotografia. Os selecionados devem retirar seus prêmios na Editora Alvorada, rua Antônio Maria Coelho, 623, até o dia 04 de outubro, das 8 até as 18 horas (no dia 04, deverá ser retirado até as 17 horas).

Confira os premiados.


Na categoria "Melhor Receita": Doce de Amendoim com chocolate, de Lyvianara Alves; Bolinho de Mandioca, de Fernanda P. Garcia; e Sopa Paraguaia, de Lynara Ojeda. As frases mais engraçadas de criança foram postadas por André Patroni e Luisa Amorim. Na categoria "Melhor Fotografia", os prêmios vão para Marcelo Oliveira, Laura Regine Silveira e Mara Breve.


Todas essas premiações podem ser conferidas no perfil da Editora Alvorada.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011


No dia 29 de outubro é celebrado o Dia Nacional do Livro. Para festejar essa data, a Editora Alvorada está promovendo duas iniciativas. Um concurso com três categorias via facebook, que irá premiar com livros da editora e o "Espaço da Leitura", que acontece durante o Feirão do Descontão, no Centro de Convenções Albano Franco. Além disso, no sábado a Editora irá promover um sorteio de vários livros durante a feira.

Quem for conferir os novos e semi-novos pode aproveitar o espaço, que permite a leitura de obras voltadas para todos os públicos, desde o infantil até o adulto, com livros de fotografias, crônicas, poesia, histórias infantis e receitas. Já para o concurso on-line, os três melhores de cada categoria: "Melhor Receita", "Melhor Frase de Criança" e "Melhor Fotografia" serão premiados.

A idéia é incentivar a leitura em todas as fases da vida. Assim, basta o candidato escolher a opção desejada e deixa sua mensagem. O concurso já está valendo, e serão premiadas as receitas mais originais de pratos com o sabor de Mato Grosso do Sul, as frases mais engraçadas e inusitadas de crianças e as fotos que melhor representam a importância da leitura em nossas vidas. As três melhores de cada categoria ganharão livros. Serão aceitas mensagens deixadas até o Dia do Livro, 29 de outubro, às 17 horas.
O link do concurso é http://www.facebook.com/messages/?action=read&tid=id.238814556174722#!/event.php?eid=287415077946779.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Editora Alvorada lança concursos para movimentar Dia do Livro

No dia 29 de outubro é celebrado o Dia Nacional do Livro. A data foi criada por ser o aniversário da fundação da Biblioteca Nacional, que nasceu com a transferência da Real Biblioteca portuguesa para o Brasil, em 1810. Para festejar essa data, a Editora Alvorada lança concursos via facebook, que irá premiar com livros da editora, os três melhores de cada categoria: "Melhor Receita", "Melhor Frase de Criança" e "Melhor Fotografia".

A idéia é incentivar a leitura em todas as fases da vida por meio do concurso. Assim, foi criado um evento virtual contendo três opções, onde o candidato posta a opção desejada e deixa sua mensagem. Serão premiadas as receitas mais originais de pratos com o sabor de Mato Grosso do Sul, as frases mais engraçadas e inusitadas de crianças e as fotos que melhor representam a importância da leitura em nossas vidas. As três melhores de cada categoria ganharão livros. Serão aceitas mensagens deixadas até o Dia do Livro, 29 de outubro, às 17 horas.

Segue link do concurso: http://www.facebook.com/messages/?action=read&tid=id.238814556174722#!/event.php?eid=287415077946779.


terça-feira, 25 de outubro de 2011

Semana do Servidor apresenta resultados positivos do TOSCO

Durante essa semana, no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo, acontece a Semana do Servidor, data comemorada no dia 28 de outubro. O evento acontece até o dia 27, durante o período da manhã. Entre os diversos estandes de várias instituições e empresas no local estão os trabalhos dos alunos das três unidades da UNEI (Unidade Educacional de Internação) de Campo Grande: Estrela do Amanhã, Unidade Dom Bosco e Novo Caminho. Estão expostos diversos trabalhos de artesanato, pintura, bordado, esculturas e trabalhos em madeira.

Com um espaço diferente, o projeto TOSCO também integra o estande. Implementado em todas as unidades desde o segundo semestre desse ano, é baseado no livro de Gilberto Mattje, publicado pela Editora Alvorada, o TOSCO. Para a professora de língua portuguesa da Estrela do Amanhã, Mara Nogueira, os resultados são satisfatórios. “O maior diferencial que o livro possui é que ele desperta o interesse do jovem pela leitura. E a partir da leitura é que começamos a ver resultados de mudança de comportamento deles, pois passam a rever suas atitudes porque se identificam com aquilo que é apresentado”, afirma.

Mara conta também que no momento em que apresentou o material para seus alunos não esperava uma recepção tão positiva. “A questão da leitura no Brasil ainda é bastante complicada, porque o interesse é muito pequeno. Então imagina esses jovens que atendemos, cuja dificuldade de leitura é ainda maior. Mas lembro que quando repassei a elas o livro do TOSCO, na semana seguinte todas já haviam lido”, conta a professora de português. Mara lembra que está sendo realizado na Estrela do Amanhã uma atividade com cartazes baseados no livro e que no fim do ano será feito um teatro de fantoches, também com a temática do livro.

A professora de educação artística das unidades, Jussara Cocco, concorda com Mara e acrescenta, “o trabalho que eu faço visa estimular a auto-estima do adolescente e mostrar que ele é capaz de realizar grandes obras, que é justamente a temática do TOSCO. O livro estimula uma mudança de comportamento, de atitudes, e isso reflete em todos os outros segmentos educacionais que trabalhamos nas unidades”.

Esse ano, as obras expostas durante a Semana do Servidor estarão a venda nos dias 6, 7, 8 e 9 de dezembro no saguão do Fórum de Campo Grande e a verba revertida para a compra de novos materiais. “Não visamos lucro. A idéia é que essas obras sejam auto-sustentáveis. O mais importante para nós são os efeitos e oportunidades que elas refletem nos jovens”, explica a professora Jussara.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Diretor do DEPEN conhece metodologia do projeto “TOSCO” nas UNEI’s do Estado

Encontro realizado na última quinta-feira, dia 20, na sede da Escola Estadual Pólo Evanilda Cavassa, da qual atende todas as Unidades Educacionais de Internação do Estado de Mato Grosso do Sul, reuniu diretor do Departamento Penitenciário Nacional – DEPEN, Augusto Rossini, equipe de assessora e ouvidora do DEPEN, superintendente de assistência socioeducativa de MS, coronel Hilton Villasanti, e envolvidos com o projeto “TOSCO” nas UNEI’s.


A diretora da Escola Pólo Evanilda Cavassa, Eliete Barros, fez a apresentação de como funciona o projeto desde o seu início, da parceria entre Secretaria de Estadode Educação - SED com Superintendência de Assistência Socioeducativa – SAS e apoio da Editora Alvorada, passando pela motivação e atividades dos adolescentes, até o que deve ser o final desta parceria: a elaboração deum livro e a divulgação dos dados coletados durante o projeto.

Com o objetivo de encontrar maneiras de motivar a mudança de comportamento da população do sistema penitenciário Nacional, é que equipe do DEPEN vem trabalhando este ano. “O que queremos é que o adulto que conseguir sair do sistema penitenciário, não volte mais. Que o projeto que vocês tem, vem dando certo na Unidades de Internação, isso estamos vendo, mas como poderíamos adaptá-lo para os presídios? Teremos que estudar”, incentiva Rossini.

A expectativa, agora, é que a equipe do Projeto Tosco e DEPEN se reúnam para buscar formas de como aplicar o projeto em parceria com as escolas que atuam dentro das penitenciárias.

Augusto Rossini esteve em Campo Grande para o VII Congresso Nacional de Alternativas Penais (Conepa), que aconteceu no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo e aproveitou para conhecer o projeto.

Saiba mais sobre o projeto Tosco em: www.editoraalvorada.com.br/livrotosco e www.youtube.com.br/livrotosco

Alunos da Escola Oswaldo Cruz ganham 1º e 2º lugar em Feira de Ciência e Tecnologia

Com os títulos "Educação Ambiental e Lazer Uma Parceria Perfeita" e "Educação Ambiental, o Futuro do Mundo Está em Nossas Mãos", alunos da Escola Municipal Oswaldo Cruz faturaram o 1º e 2º lugar, respectivamente, na Feira de Ciência e Tecnologia, que aconteceu no Armazém Cultural em Campo Grande. Os estudantes são integrantes do projeto TRAJE (Travessia Educacional do Jovem Estudante), cujo material didático é desenvolvido pela Editora Alvorada, com uma linguagem voltada para os jovens e que visa o estímulo a pesquisas e atividades extracurriculares.

O trabalho "Educação Ambiental e Lazer. Uma Parceria Perfeita" foi apresentado pelo aluno Everton Ricardo Dutra e acompanhado pela professora Gabriela Morales e ganhou na categoria 8º e 9º ano. O projeto foi realizado no Asilo São João Bosco com materiais de reciclagem. O prêmio foi um notebook e uma impressora para o aluno e outro para a professora.

Já a segunda colocação, da categoria 6º e 7º ano, foi um trabalho apresentado pelo aluno Johnny Matias Nogueira e acompanhado pelo professor Arli Norberto Ribeiro. "Educação Ambiental, o Futuro do Mundo Está em Nossas Mãos" foi realizado no lixão de Campo Grande. Como prêmio, Johnny ganhou um vídeo-game Playstation 3.

Para a professora Gabriela Morales, o material didático TRAJE teve papel fundamental na elaboração dos trabalhos. “Essas atividades são propostas do TRAJE, da Editora Alvorada. O que nós fizemos foi adaptá-las para a Semana de Ciência e Tecnologia, que tinha um caráter mais ambiental. O estímulo a atividades fora de sala e pesquisa são fundamentais para o professor e aluno, pois favorece a educação de forma mais dinâmica e eficiente”, explica a professora.

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia
A Feira faz parte da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) que tem como tema: “Mudanças Climáticas, Desastres Naturais e Prevenção de Riscos”. Ela aconteceu simultaneamente em 500 cidades brasileiras entre os dias 19 e 22 de outubro e envolveu instituições públicas e privadas de ensino. A premiação tem abrangência estadual. Em Campo Grande foram 13 stands com trabalhos de alunos do 6º ano ao Ensino Médio, no Armazém Cultural.

O objetivo da Semana de Ciência e Tecnologia foi promover a conscientização ambiental nas escolas. O evento tem revelado crianças e jovens que descobriram maneiras de ajudar a sociedade e transformar realidades com o uso da tecnologia.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Cerca de 100 pessoas prestigiaram lançamento do livro “30 DIAS”



O evento aconteceu na noite de quarta-feira (19), na Livraria Le Parole. Estiveram presentes, familiares, amigos e colegas da área jurídica da autora Ariadne Cantú. Personalidades como a vice-presidente da AACC/MS, Terezinha Selem e o Presidente da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras, Reginaldo Alves De Araujo, também marcaram presença.
A obra “30 dias” reúne uma série de crônicas escritas em prosa poética. O livro, que foi pré-lançado na bienal do livro no Rio de Janeiro esse ano, é o primeiro de crônicas da autora. “Essa obra é algo totalmente diferente daquilo que já fiz como autora. Meus demais livros são voltados para a área da infância e juventude, e esse é um trabalho em que me exponho através de crônicas diversas, que são sempre tão pessoais, tão particulares”, conta Ariadne.

Ao som do saxofone, Ariadne autografou 70 livros e aproveitou para expor seus demais livros, também publicações da Editora Alvorada: “Enquanto mamãe não vem”, “Garatujas”, “Kiko – o garoto que não dormia”, “Carlos, o garoto que sonhava” e “Retalhos de Verdades”.

Corregedor-Geral do Ministério Público Estadual, Silvio Cesar Maluf, os Procuradores de Justiça, Edgar Lemos, Mauri Valentim Riciotti, Nilza Gomes da Silva, Evaldo Borges, Miguel Vieira, Gerardo Eriberto, Belmires Soles e os Promotores de Justiça, Candy Hioroki Cruz, Luciana Moreira Schenk, Douglas Oldegardo, Paula da Silva Volpe, Humberto Lapa Ferri, o presidente da Assembléia Legislativa, deputado Jerson Domingos, a Juíza, Maria Isabel Rocha, o colunista Dácio Corrêa, entre outras também compareceram.




segunda-feira, 17 de outubro de 2011

“A cor de um sonho” leva crianças de instituições a construírem seu próprio livro-arte





Tendo como base o livro “Enquanto mamãe não vem” da Promotora de Justiça Ariadne Cantú, crianças de cinco instituições de acolhimento estão participando do projeto “A cor de um sonho”. O projeto consiste na realização de sete oficinas ministradas pela artista plástica e arte-educadora Ana Ruas com crianças institucionalizadas, onde elas aprendem valores através da arte. As atividades estão sendo realizadas no ateliê da artista plástica, Rua Inah Cesar Rosas, e vão até o dia 20 de outubro.

Divididas em turmas com crianças de seis a oito anos e nove a 13 anos, cerca de 100 crianças serão privilegiadas com o projeto. Essa é uma iniciativa da Editora Alvorada, responsável pela 2º Edição da obra “Enquanto mamãe não vem”.



 Ana Ruas leva as crianças a percorrerem um labirinto, que em muito se parece com as dificuldades e obstáculos que enfrentam no dia-a-dia. Os personagens de estudo são formiguinhas, por seu famoso espírito trabalhador, determinado, paciente e corajoso. A partir do momento que as crianças vão avançando nas atividades, vão sendo levadas a pensar: quais seus desafios diários e o que querem alcançar.

Pela manhã foi a vez do abrigo Casa da Criança Peniel V realizar as atividades, e a tarde o Lar Vovó Miloca. Ao todo, mais de vinte crianças tiveram a oportunidade de conhecer o ateliê e realizar as atividades. E o resultado já começa a aparecer. João (nome fictício), por exemplo, tem apenas oito anos, mas já assimilou bem o significado do projeto. “Com a pintura eu aprendi que tenho que ser paciente, fazer direitinho, senão fica tudo errado. E acho que uma coisa que tenho em comum com as formiguinhas é que eu não desisto das coisas, dos meus sonhos”.

Para a artista, mais importante que os resultados é o processo de criação. “A vivência que estão tendo aqui, o que estão produzindo é a verdadeira riqueza da atividade. É normal que no final de alguns labirintos apareça a mãe, o pai, irmãos, enfim a família, pois são crianças em situação de acolhimento. E como todo sonho para ser alcançado, quem sonha precisa antes de tudo acreditar, ser persistente, ser paciente, assim como a formiga que também aparece nas paredes do ateliê.



Exposição Itinerante

Ao todo serão sete livros-arte que irão correr o Estado, sendo que a primeira mostra será realizada no Museu de Arte Contemporânea – MARCO, no próximo dia 29. Além da abertura da Exposição Itinerante, será montado um espaço para as crianças com brinquedos e recreação. Fotografias também serão expostas no mesmo dia.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

"Enquanto mamãe não vem" será eixo temático de exposição itinerante

Ainda no mês das crianças, entre os dias 17 a 20 de outubro, crianças de cinco abrigos de Campo Grande irão produzir seu próprio livro. Trata-se do projeto “A cor de um sonho”, que tem como tema a obra “Enquanto mamãe não vem”, da Promotora de Justiça Ariadne Cantú. Será elaborado um livro por oficina, sendo sete livros, ministradas pela artista plástica e arte-educadora Ana Ruas. As oficinas serão trabalhadas no ateliê da artista, na Rua Inah Cesar Rosas, 8, Tayamã Park.

“A literatura é a porta de entrada para o sonho”. Essa frase da Ariadne Cantú define bem o que será o projeto. Através da leitura de seu livro “Enquanto mamãe não vem”, que teve sua segunda edição publicada pela Editora Alvorada, cerca de 100 crianças irão desenvolver atividades através da percepção das cores, e retratá-las em grandes livros, que serão primeiramente expostos no Marco e depois viajam pelo interior.

A obra-tema da oficina retrata a dura realidade de crianças que vivem ou vivenciaram algum tipo de abandono e agora traz para elas uma oportunidade de extravasar sua realidade. A autora acredita que é na literatura que as crianças materializam seus sonhos e desenvolvem seu senso de criatividade. “Acredito que a capacidade de sonhar é uma das qualidades mais importantes das crianças. A literatura é capaz de envolvê-las, e agora eles terão a oportunidade de criarem seu próprio mundo de fantasia, dando um final mais feliz para suas histórias”, afirma Ariadne.

Dona Josefa Rosa, diretora do abrigo Vovó Miloca, conta que são poucas as oportunidades como essa, de irem a um espaço de arte. “Essas atividades são muito importantes para o desenvolvimento social delas. Além disso, valoriza sua auto-estima, elas passam a entender que não são diferentes das demais crianças, têm as mesmas vontades, precisam dos mesmos cuidados”.

Ariadne Cantú, que há mais de 10 anos atua na área já produziu diversos materiais voltados para a temática da infância, como o livro “Carlos – O garoto que sonhava”, “Kiko – O menino que não dormia”, “Retalhos de Verdades”. “Desde os 12 anos de idade eu já tinha essa percepção da importância de zelarmos pelas nossas crianças, cuidar de seu bem-estar e qualidade de vida. Agora, mãe de três filhos, acho que essa preocupação é ainda maior, ainda mais sensível”, acredita Cantú.

Exposição itinerante
No dia 29 de outubro será a abertura da exposição, onde esses trabalhos serão expostos no Marco – Museu das Artes Contemporâneas na parte da manhã (a partir das 9h). Essa exposição marca o início da fase itinerante do projeto. Os livros ficarão expostos durante uma semana, logo após viajam pelo interior do Estado, até voltarem para as instituições de origem. Na abertura da exposição no Marco, as crianças poderão ver o trabalho uma das outras, além de participarem de várias outras atividades e brincadeiras, onde acontecerá também uma mostra fotográfica do projeto. O Museu fica na R. Antônio Maria Coelho, 6000, Parque das Nações Indígenas.